sábado, setembro 12, 2009

Páginas Soltas


"Primeiro as cores.
Depois os humanos.
É geralmente assim que eu vejo as coisas.
Ou, pelo menos, tento.

EIS UM PEQUENO FACTO
Vocês vão morrer.

Para falar francamente, estou a tentar mostrar-me prazenteira acerca deste tópico, embora a maioria das pessoas sinta dificuldade em me acreditar, por muito que eu proteste. Por favor, confiem em mim. Eu posso definitivamente ser presenteira. Posso ser amável. Agradável. Afável. E isso só nos A's. Só não me peçam para ser simpática. Simpatia não tem nada a ver comigo.

REACÇÃO AO FACTO ACIMA MENCIONADO
Isto preocupa-os?
Peço-lhes - não tenham medo.
Sou seguramente justa.

É claro, uma apresentação.
Um começo.
Que é feito das minhas boas maneiras?
Podia apresentar-me devidamente, mas não é de facto necessário. Vocês conhecer-me-ão suficientemente bem e suficientemente depressa, dependendo de um amplo leque de variáveis. Basta dizer determinado ponto do tempo, me encontrarão debruçada sobre vós, tão jovial quanto possível. A vossa alma estará nos meus braços. No meu ombro pousará uma cor. Levar-vos-ei docemente comigo."


Excerto de "A Rapariga que Roubava Livros de Markus Zusak
Imagem: Alfred Rethel

7 comentários:

intimidades disse...

forte, tenho de ler mais

Jokas
Paula

WOLKENGEDANKEN disse...

A morte é o tabu mais grande na nossa sociedade actual

mdsol disse...

Tenho andado dispersa. Mas não me esqueço dos cantinhos que gosto de visitar.
:))

Frankie disse...

Soberbo...
Tenho mesmo de ler este!

Deixo um beijo e, mais uma vez, o meu "muito obrigada" pela sugestão :)*

DarkViolet disse...

O repouso do Ser na insanidade, no tempo inquieto do entranhar

SAM disse...

Sensacional este texto. E apreciei com muito gosto, porque para ser justo é preciso ter amor. O que mais se espera?


Um beijo!

Wolf_Angel disse...

Mr
ótimo trecho, sem dúvida é esse o melhor livro que li
sigamos vivendo, pois

sopros