sábado, janeiro 31, 2009

Cahiers Du Cinéma Portugais (V)

Que imprudente ideia, a do príncipe, ter interrompido Branca de Neve no melhor dos sonos e, com um beijo que ela negará sempre, retirá-la do caixão de vidro para a restituir à vida, isto é, à carne, e arrogar-se direitos sobre ela. Se Branca de Neve deseja morrer ou regressar ao país dos seus anões, é porque não está convencida da boa-fé da rainha. A sua madrasta não quis envenená-la? Quando Branca de Neve, salva pelo príncipe, voltou à vida, a rainha, graças aos seus beijos, não incitou, acto contínuo, o caçador a apunhalá-la? Baseado na obra «Schneewittchen» do escritor suisso Robert Walser, João César Monteiro assina este «Branca de Neve» em 2000, três anos antes de «Vai e Vem», a derradeira obra de um dos mais conceituados cineastas portugueses. Apesar desta obra ter gerado uma grande polémica em Portugal devido à quase inexistência de imagens, este filme foi muito bem recebido pelos críticos de todo o Mundo (mais uma vez, a excepção foi Portugal).

«É preciso morrer para aprender a viver, e o filme experimenta com graça esse outro-mundo. Em todo o caso, para evocar Walser, Monteiro, passa pela obra.» - Jean-Marc Lalanne; "Libération".

«Arrisquemos hipóteses. A provocação dadaísta, a imprecação epistolar, a estalada no gosto do público. A proximidade espiritual do cineasta e do escritor, sob o signo do humor melancólico, da tentação epicurista, da impossível procura pela beleza, e da loucura que ronda. O texto walseriano é admiravelmente dito em português.» - Jacques Mandelbaum; "Le Monde".

«Filme afrontosamente teórico e consagrado à perda da luz ou às incestuosas relações imagem/som, «Branca de Neve» é sobretudo um grande filme sensual, onde a ressurreição da heroína do conto as suas hesitações entre desaparecimento doloroso e esperança de retorno, perdão e ressentimento, não são tratados senão através da matéria fílmica.» - Frédéric Bonnaud; "Les Inrockuptibles".

«Uma obra prima de síntese e de provocação às últimas consequências. Assina-a, não por acaso, um génio do cinema contemporâneo como João César Monteiro. Há no trabalho de Monteiro muito do que é hoje em dia reflexão sobre o corpo cinema. Este filme é uma magnífica lição de cinema.» - Cristina Piccino; "Il Manifesto".


video


"Mais do que ver, gostaria de ouvir" - Robert Walser


Vídeo e imagem: Madragoa Filmes
Post já publicado no blog "O Bar do Ossian"

segunda-feira, janeiro 26, 2009

MiNiMaL aRt (X)

"Forty Years at MoMA" de Richard Serra

"The viewer becomes aware of himself and of his movement through the plaza. As he moves, the sculpture changes. Contraction and expansion of the sculpture result from the viewer's movement. Step by step the perception not only of the sculpture but of the entire environment changes." - Richard Serra

terça-feira, janeiro 20, 2009

And That Is The Longing... And This Is The Book

" I can't make the hills
The system is shot
I'm living on pills
For which I thank God.

I followed the course
From chaos to art
Desire the horse
Depression the cart

I sailed like a swan
I sank like a rock
But time is long gone
Past my laughing stock

My page was too white
My ink was too thin
The day wouldn't write
What the night pencilled in

My animal howls
My angel's upset
But I'm not allowed
A trace of regret

For someone will use
What I couldn't be
My heart will be hers
Impersonally

She'll step on the path
She'll see what I mean
My will cut in half
And freedom between

For less than a second
Our lives will collide
The endless suspended
The door open wide

Then she will be born
To someone like you
What no one has done
She'll continue to do

I know she is coming
I know she will look
And that is the longing
And this is the book."



Texto: "The Book of Longing" de Leonard Cohen
Imagem: Leonard Cohen

segunda-feira, janeiro 12, 2009

Sugestão Musical

Alienação. Horror. Manipulação psicológica. Desespero. Sofrimento.
Tudo isto se encontra em abundância no disco "Schrei X" de Diamanda Galás. No interior do disco encontramos uma advertência: tocar o disco no volume máximo pois não se trata de música ambiente. Logo após os primeiros segundos entramos no universo de Diamanda Galás, onde ela grita, geme, pratica glossolalia e arranha, arrasando-nos completamente com a sua voz que atinge uma série de três oitavas e meia. Para muitos (eu, incluído) este trabalho é um prazer auditivo; para outros tantos trata-se de uma tortura auditiva.






SCHREI X
1996 - MUTE

Schrei X live:
01: Do Room
02: I— I Am— Dreams
03: M Dis I
04: O.P.M.
05: Abasement
06: Headbox
07: Cunt
08: Hepar
09: Coitum
10: Vein
11: M Dis II
12: Smell
13: Hee Shock Die

Schrei 27:
01: Do Room
02: I I
03: M Dis I
04: O.P.M.
05: Headbox
06: Cunt
07: Hepar
08: Vein
09: M Dis II
10: Smell
11: Hee Shock Die

quinta-feira, janeiro 08, 2009

Arte: Frases Ditas

"I am interested in the cycle of expectation, the failure of the ideal
and the purity of anticipation." - Michael Sirianni


Imagem: "Untitled #1" de Michael Sirianni