sexta-feira, maio 02, 2008

Cahiers Du Cinéma Portugais (III)

"A Mulher Que Acreditava Ser
Presidente dos Estados Unidos da América"
de João Botelho
(2003)
Muitos críticos de cinema afirmaram que o filme "A Bomba" (2002) de Leonel Vieira tinha tanta piada como um pingo de solda num olho. Pois "A Mulher Que Acreditava Ser Presidente Dos Estados Unidos Da América" encontra-se no mesmo patamar. Porém, uma frase proferida pela presidente (Alexandra Lencastre), salva o filme da catástofe total:

"Eu sou a presidente dos Estados Unidos da América, posso fazer o que quiser!"

Digam lá se João Botelho não conseguiu reproduzir na perfeição o ego dos presidentes norte-americanos...

6 comentários:

claudia disse...

Pena não poder comentar, pois não vi nem um filme, nem outro...

Mr. Lynch disse...

Claudia;
Não perdeste nada...
Belieeeeve me! :P
*

Klatuu o embuçado disse...

Pelos vistos também não perdi nada... embora ver a Xana do sinal é sempre aquela; mas gostava mais dela aos 19 anos, quando andava pela Universidade de Lisboa a fingir que estudava Filosofia.
Ainda fizemos uns lanches... boa miúda.

Abraço.

Mr. Lynch disse...

Klatuu o Embuçado;
Saudações!
Não perdeste nada mesmo.
LOL Desconhecia essa faceta da Xana! Enfim... Fica sempre bem dizer que se estuda Filosofia... principalmente quando se é inseguro!
Abraço

Isobel disse...

Pois é, o filme é chatinho, lembro-me disso... mas tem momentos deliciosos. Infelizmente, nem só de momentos é feito um filme :D

Mr. Lynch disse...

Isobel;
Concordo: nem só de momentos vive um filme. Por exemplo: neste filme os momentos com a actriz Adelaide João são deliciosos!