terça-feira, maio 20, 2008

"Porém já cinco sóis eram passados
Que dali nos partíramos, cortando
Os mares nunca de outrem navegados,
Pròsperamente os ventos assoprando,
Quando ira noite, estando descuidados
Na cortadora proa vigiando,
Ũa nuvem, que os ares escurece,
Sobre nossas cabeças aparece.

Tão temerosa vinha e carregada,
Que pôs nos corações um grande medo.
Bramindo, o negro mar de lomge brada,
Como se desse em vão nalgum rochedo.
- «Ó Potestade - disse - sublimada,
Que ameaço divino ou que segredo
Este clima e este mar nos apresenta,
Que mor cousa parece que tormenta?»

Não acabavan quando ũa figura
Se nos mostra no ar, robusta e válida,
De disforme e grandíssima estatura,
O rosto carregado, a barba esquálida,
Os olhos encovados, e a postura
Medonha e má, e a cor terrena e pálida,
Cheios de terra e crespos os cabelos,
A boca negra, os dentes amarelos.

Tão grande era de membros, que bem posso
Certificar-me que este era o segundo
De Rodes estranhíssimo Colosso,
Que um dos sete milagres foi do mundo.
C'um tom de voz nos fala horrendo e grosso,
Que pareceu sair do mar profundo.
Arrepiam-se as carnes e o cabelo
A mim e a todos, só de ouvi-lo e vê-lo."

Texto: "Os Lusíadas", Canto V, 37-40 de Luís de Camões
Imagem: "Colossus" de Goya

5 comentários:

ceridween disse...

Um grande obra de Luis de Camões, sem duvida...
Adorei o quadro...
*

Mr. Lynch disse...

Ceridween;
Penso que neste post uni dois grandes "monstros" da arte ibérica: Camões e Goya.
*

Wolkengedanken disse...

Dois monstros com temas muito diferentes !

Mr. Lynch disse...

Wolkengedanken;
Sem dúvida! Mas penso que aqui consegui estabelecer uma boa harmonia entre texto/imagem.

Wolkengedanken disse...

E verdade, o ambiente, as nuvens oscuras e o gigante descritos ...